Publicado em 09/07/2020 por Hely Aires
Notícias
O combate ao racismo que o incentiva, por Paula Schmitt

Há incentivo à vitimização

Cria-se gerações de monstros

Em nome de 1 racismo do bem

 

Para autora, cotas raciais podem levar a tiro no péPixabay




No dia 24 de junho, Jonathan Lopez, candidato derrotado a cargo público eletivo em uma cidade do Oregon, nos EUA, recebeu uma carta anônima assustadoramente violenta.

 

Ela começava dizendo que Lopez não era bem-vindo, e que naquela comunidade, mexicanos como ele eram mortos e “jogados nos campos ou no rio –por isso as nossas plantações são as melhores!” Assinada apenas com a palavra América, a mensagem ainda dizia que Lopez não deveria perder seu tempo “tentando ser alguma coisa nesse país”. Lopez foi de uma gentileza e superioridade moral incríveis. Perdoou seus algozes anônimos no Facebook e defendeu o fim do racismo. Menos de um mês depois, contudo, a polícia descobriu que o verdadeiro autor da carta era o próprio Lopez. Ele confessou o crime.

 

No ano passado, outro crime de ódio foi registrado nos Estados Unidos. A vítima era o ator Jussie Smollett, da série Empire, que é gay e negro. Segundo relatos dele próprio, Jussie teria sido atacado por 2 homens mascarados, que colocaram uma corda de enforcamento em volta do seu pescoço e jogaram um líquido não identificado no seu rosto enquanto gritavam “esse país é MAGA” (maga são as iniciais do slogan de Trump, “Make America great again”). O caso atraiu comiseração de toda parte –políticos, atores, celebridades, líderes religiosos se manifestaram em apoio a Smollett e condenando o ódio a gays e negros. Mas depois de intensa investigação, Jussie foi acusado por um júri popular de ter inventado o ataque e produzido provas falsas. Seus agressores –eles também negros– são suspeitos de terem sido pagos pelo próprio Smollett para encenar o crime.

 

Em junho deste ano, também nos EUA, o corredor de stock car Bubba Wallace foi outra vítima aparente de crime de ódio. Um membro da equipe de Bubba –único piloto negro da prova Nascar– encontrou uma corda em forma de forca, pendurada no vão da porta do box que seria usado por Bubba durante a corrida. O caso foi divulgado intensamente, e em entrevista para a CNN, Bubba sugeriu que pessoas que desconfiavam da veracidade do crime estavam mal-informadas sobre a realidade do mundo. Mas os 15 agentes do FBI que investigaram o caso disseram que não houve crime de ódio –a corda, na verdade, servia para fechar a porta da garagem, e terminava em uma alça para facilitar o manuseio.

 

Vídeos mostram que a corda já estava lá, daquele jeito, pelo menos desde 2017 –bem antes de o box 4 ser sorteado para Bubba, na semana da corrida.

Se você acha que não é necessário se preocupar com esses “casos isolados,” espere mais um pouco, porque eles têm todos os elementos necessários para se tornar regra. Assim como existem milhares de pessoas que mentem no currículo inventando prêmios e diplomas –porque nossa sociedade incentiva a busca dessas conquistas como avalizadores de competência– estamos recriando uma sociedade que vai viver do ódio e do racismo, porque a nossa sociedade vem incentivando a vitimização. Poucos diplomas hoje valem mais do que um B.O. identificando o aspirante social como vítima de ódio. No pódio dessa sociedade invertida, vence aquele que perde, e quanto mais sofrimento e injustiça você tiver sofrido, mas próximo você está da vitória. Isso não acontece só com negros, mas com mulheres, com a comunidade LGBT e todas as outras “minorias” supostamente merecedoras de proteção especial.

 

 

Existem vários problemas com essa lógica, mas o principal deles é o seguinte: na invenção do sucesso, a falsificação de um diploma causa poucos danos à universidade que se escolheu como avalizadora; mas na invenção de um crime de ódio, só tem diploma de vítima aquele que consegue encontrar um algoz. É isso que estamos criando: de um lado, gerações e mais gerações de vítimas. Do outro, gerações e mais gerações de monstros, gente de uma mesma raça engessada no único papel que lhe sobrou, o de culpada. Na hora do sacrifício, contudo, a elite branca tem pouco a temer. Assim como no sistema de cotas, o indivíduo é menos relevante do que o grupo étnico ao qual ele pertence, e a busca do espécime expiatório vai começar sempre por baixo.

 

Já existem estudos que indicam que a doutrinação ostensivamente antirracista causa mais racismo do que elimina.

 

Mas se você não dá crédito suficiente a estudos de psicologia experimental ou economia comportamental, faça um teste empírico. Pergunte a qualquer pai e mãe se eles ensinam seus filhos a procurar culpados para os seus problemas. Pergunte a qualquer psicólogo se a vitimização é algo saudável, prolífico, propositivo. Pergunte a qualquer dos milhares de autores de livro de auto-ajuda se algum deles alguma vez recomendou a alguém que começasse a botar a culpa de seus problemas nos outros para só assim superá-los. Se brancos vão ser prejudicados em massa com o papel de culpado obrigatoriamente atribuído a eles, o que acontecerá com os negros vítimas dessa nova escravização? Existem vários negros que se opõem a essa cultura, mas poucos que se expõem.

 

Eles são tratados como “capitães do mato”, ou nos Estados Unidos como “Uncle Tom”. São pessoas rejeitadas pelos seus pares étnicos, insuficientemente negros.

 

Um deles é o economista Thomas Sowell. Em um tratado contra as cotas raciais, Sowell explica uma das razões da sua objeção: até alguns anos atrás, se você fosse ao hospital fazer uma operação cardíaca e entre os 5 cirurgiões estivesse 1 negro, a boa heurística teria que lhe inspirar a escolher o cirurgião negro, porque ele certamente deveria ser muito bom para estar ali. Hoje, contudo, numa escolha como essa, é razoável ficar com o pé atrás, porque esse cirurgião pode ter conseguido o diploma por meio de cotas. E veja como seria fácil evitar isso: bastaria que as cotas fossem econômicas, não raciais. Com essa sutil diferença, negros já não seriam alvos certeiros de suspeita profissional, porque brancos poderiam também ter entrado por meio do mesmo mecanismo.

 

Antes de terminar, queria contar uma história que serviu para abrir a minha cabeça sobre ações afirmativas, e me fez para sempre acreditar que, quando não são obrigatórias ou inscritas na lei, essas ações têm sim um poder incrível de transformação de percepções, e de inclusão. Eu tinha acabado de voltar ao Brasil depois de muitos anos, e estava na sala de uma amiga enquanto passava uma novela da Globo na TV. Lá estava uma anã. Não lembro o nome da novela, e só vi um capítulo, mas foi uma experiência transformadora, porque foi a 1ª vez que eu vi uma mulher anã na TV sendo tratada como… mulher. A atriz não fazia papel de artista de circo, nem de vítima –ela era atraente, e tinha um homem lindo apaixonado por ela. Naquele episódio, ele deixou para ela um presente. Ela abre a caixa ao lado de uma amiga. Era um sapato de salto alto. A personagem –confiante, engraçada, sem medo– vira pra amiga e pergunta: Será que ele tá querendo dizer que sou baixinha?

 

Em nome de toda mulher que se sentiu desejada naquele espelho, eu agradeço e parabenizo a Globo, e espero que eles sempre levem em consideração o poder enorme dessas ações. Mas jamais vou defender que isso seja lei. Bondade, bom-senso e empatia são valores com os quais cresci e que me foram incutidos da forma mais eficiente –pelo exemplo. Jamais vou desejar que eles sejam manchados com a nódoa da obrigatoriedade.